22 de setembro de 2011

Sol da Justiça - Diante do Trono 14

Olá galera!
Eu não poderia deixar de escrever no Universo Compartilhado hoje, pois a minha banda preferida, esteve na Expo Cristã (evento cristão que promove a divulgação do que está acontecendo no cenário evangélico) para o lançamento do seu 14° CD inédito.
"Sol da Justiça", nome do novo trabalho do maior ministério de louvor do Brasil, é um álbum que merece critíca, atenção e elogios separado dos demais. Bom, eu não entendo muito de qualidade musical, mas as diferenças estão escutáveis (só serão visíveis com a chegada do DVD), por isso vou contar um pouco do que conheço da banda e indicar as tais mudanças.
Para uma banda permanecer no cenário musical, ela tem que conquistar o público, ter seu estilo próprio (principal fator de aceitação entre os ouvintes), e de uma forma ou outra inovar: canções, apresentações e várias coisas que não as deixam perder a graça de serem escutadas ou esquecidas. E isso o Diante do Trono conseguiu através dos anos.
Se você escutar os cinco primeiros CD´s do grupo, vai entender que o estilo desses trabalhos é o que trouxe toda essa popularidade da banda que conquistou os evangélicos e que depois de doze anos (de existência) começou ser reconhecida pela mídia brasileira.
O DT sempre lançou "moda" (todos CD´s foram gravados ao vivo com a participação de dançarinos, estilo de adoração espontâneo nas músicas etc), ou seja, inovou, diferenciou a música gospel. A partir do 5° álbum ("Nos braços do Pai"), os músicos, naturais de Belo Horizonte, deixaram o solo mineiro, para gravar em outros estados brasileiros, e em todos os seus ajuntamentos, eles movem caravanas de todo o país para participar do evento, que sempre é gratuito.
E assim, a partir do 6° CD, o ministério foi adotando outros estilos ao seu repertório, em outras palavras, diminuindo o uso da orquestra (violinos, trompetes, trombones etc), e também homenageando o estado que os recebiam com características em algumas músicas que identificavam o local, ex: em São Paulo (CD "Quero me apaixonar"), eles regravaram uma das músicas (do 1° álbum - "Diante do Trono") que mais marcaram a história do louvor brasileiro ("Manancial") em uma versão remix; em Salvador a primeira faixa ("Quem é Deus como o nosso Deus?") recebe a participação de um grupo de percussão, que relembrou a batucada, que faz parte desse povo e também uma música com o nome da capital baiana, já na cidade Maravilhosa, houve uma bossa (presente só no DVD) e no 13° trabalho ("Aleluia") a banda cantou novamente uma canção em estilo country (presente no 2° CD), pois o local da gravação foi a cidade de Barretos.
Algo que demorou para acontecer no DT foi a participação de outros cantores em seus álbuns (no 12°, "Tua Visão", houve a participação da cantora Fernanda Brum).
Depois de uma pequena passada pela história da banda, acho melhor eu começar falar logo do novo trabalho, não é mesmo?



Este CD já é surpreendente de cara, pois é o primeiro onde não há nenhuma música orquestrada (só guitarra e companhia), isso já era algo que estava acontecendo, mas agora foi no álbum inteiro. Outra coisa que quando eu escutei, eu pensei comigo "esse é o Diante do Trono!", foi que na primeira faixa ("Hosana"), tem um solo de acordeon (ou sanfona, não sei a diferença), dá pra acreditar?
Houve também versões de músicas internacionais ("Me ama", "Anseio" e "Eu canto") algo que não acontecia muito, já que a maioria das músicas são de autorias da principal vocalista, Ana Paula Valadão.
Não posso me esquecer da homenagem ao Asaph Borba (medley com suas músicas mais conhecidas), um antigo cantor gospel, que a nova geração não deve conhecer, e aos clássicos hinos que já são de domínio público, pela idade que eles têm (mais de cem anos).
Não vejo a hora de assistir ao show, pois várias canções inéditas estarão disponíveis somente no DVD.
Se você não conhecia o Diante do Trono, está aí um post que fez uma apresentação, não completa, mas que com certeza te deixará curioso, para ouvir o trabalho do grupo.
Espero que quem escutar este CD goste e seja abençoado, pois o gospel não é mais um gênero musical, e sim um dos meios (mensagem), que usamos para falar com Deus (olha eu falando da teoria matemática da informação aqui!)
Até a próxima galera!